Convivemos em um planeta a cada minuto mais conectado. Todos estamos atentos, on-line 24 horas, plugados e compenetrados em notícias e entretenimento. Neste instante, enquanto eu escrevo, já existem mais de 4,7 bilhões de indivíduos acessando a internet para trabalhar, estudar, jogar, assistir filmes, novelas, seriados, ouvir músicas, baixar conteúdo, ler notícias e muito mais. Além de conhecer novas pessoas, se ligar mais ainda a pessoas que já conhecem, produzir conteúdo ou consumir conteúdo produzido por outras pessoas e até dar aquele block naquela pessoa não tão querida, afinal como diria Lulu Santos em uma de suas canções; “...não desejamos mal, a quase ninguém”.


Segundo a empresa IBM, nos últimos 700 dias, foram criados mais de 90% de todos os dados já gerados na história de toda a humanidade. Estamos falando em dados e informações que em dois anos, superam o que o homem já fez em nove mil anos de existência neste planeta. Fato é que nem tudo que se cria, é digno de ser postado, divulgado ou impresso na tela de nossos celulares ou computadores, mas de toda forma, temos que aprender que as dancinhas do TikTok são uma realidade, mas acalme-se meu querido gafanhoto, elas não são de todo mal, algumas são bem legais. Já não se pode dizer o mesmo das frases motivacionais do Instagram, dos coach´s quânticos e daquele cara que se diz super rico, um milionário generoso e ao mesmo tempo ostentador, que diz que você só não é milionário, porque não segue as dicas que ele está te passando de graça, até certo ponto, porque logo depois basta assinar um curso on-line baratinho e pronto! Você já será o novo milionário do seu bairro, era tudo questão de Mindeset! Não podemos esquecer também das maravilhosasteorias da conspiração, quase todas de procedência muito duvidosa, onde até a terra seria plana, e tem um grupo de guerreiros Jedais (esta eu acho até legal) esperando para atacar ou dos Iluminati que querem seus dados e seu DNA, para poder conquistar o mundo, ou implementar uma “Nova Ordem Mundial”, geralmente seguindo uma teoria Malthusiana, onde parte da população da Terra tem de sucumbir para que a outra prospere. Mas espere que ainda piora! Se você faz parte de um grupo de WhatsApp da sua família, ou de “notícias”, com certeza recebe dezenas de vídeos, onde na cabeça do remetente, elas são verdadeiras, são os cientistas e “Eles” que não querem que você saiba. Não obstante em uma galáxia próxima, e uma realidade não utópica, no mesmo grupo ainda vem aquela jovem ou adolescente raivosa debatendo com o tiozão não menos extremista, para ver quem envia mais  imagens ou vídeos falando mal de um candidato B ou candidato L, até que alguém saia do grupo e adeus Natal em família. Tem também o clássico nude que “vazam” sem querer em uma plataforma e quando você vai ver; tarde demais, o estrago já está feito. Por fim, aquele “bom dia” e “boa noite” pontual e clássico que vovó deixa rigorosamente no grupo do WhatsApp.

De fato, o que quero dizer é que, realmente, quantidade não tem nada a ver com qualidade, haja vista que para fazer é imprimir a primeira Bíblia Cristã, Johannes Gutenberg, há mais de 600 anos atrás, ou seja, a seis gerações antes de você que está lendo este texto agora, imprimiu as primeiras Bíblias em larga escala na Europa, escrita em Latim, apesar do idioma original ser o grego, aramaico e hebraico. Ele as imprimiu aproximadamente entre 1450 D.C  e 1455 D.C, graças a invenção do papel, que foi originalmente inventado na China e depois se disseminou para o oeste do mundo mulçumano (antes os livros europeus eram escritos em pergaminhos, feito com pele de bezerro).

Hoje pode se dizer, de uma maneira um quanto tanto hiperbólica, que não dá para viver sem a internet. Todos precisamos de uma conta de e-mail ou número de celular, com rede Wi-Fi é internet estável de alta velocidade para acessarmos nossos aplicativos preferidos e ali, passarmos grande parte de nossas vidas, seja trabalhando, estudando, rindo (porque é para isso que eu  pago a minha internet) ou apenas se dando o luxo de viver o ócio do nada fazer e ficar divagando de vídeo em vídeo no TikTok. É exatamente aí que a Radar Internet entra, a Radar não é apenas uma empresa, a Radar é a ponte que liga você a internet, para que você possa ter
acesso a todo conteúdo que você quiser, quando quiser, na hora que quiser, sem nenhum dissabor, com uma conexão rápida, estável e barata.

GOSTOU DO POST? ENTÃO COMPARTILHE!